Da ação de reintegração do Hotel Aquarius ao abandono

ocupacao sao joao mstc

Por Luciana Bedeschi*

Quem se interessa por processos judiciais encontrará grave e interessante material de investigação sobre justiça, aparelhamento do Poder Judiciário e interferência (imprecisa?) do Ministério Público na ação de reintegração de posse movida por Aquarius Hotel Limitada contra o Movimento Sem Teto do Centro, MSTC. O objeto da disputa é um imóvel central de 20 andares abandonado e que nunca cumpriu a função social da propriedade, localizado na Avenida São João, 601, São Paulo.

Não é a primeira vez que este prédio é ocupado. A ocupação anterior aconteceu em 2011 pelo mesmo MSTC. Uma ação judicial contra a última ocupação, ocorrida em março de 2014, tramita na 25ª Vara Cível do Foro Central da Capital. A juíza encarregada do caso concedeu liminar imediatamente porque considerou “vestígios” de direito dos proprietários, mesmo ante uma confissão de exposto abandono e subutilização.

O termo “vestígios” de direito, utilizado pela juíza, foi empregado para fundamentar a medida liminar, concedida imediatamente. A juíza não pediu nenhum esclarecimento sobre a subutilização, também não levantou qualquer questão sobre os motivos que levaram o prédio a ser ocupado novamente, tampouco a falta de função social. Ao conceder a medida liminar e determinar a expedição de ofício de requisição de força à Polícia Militar, a juíza também utilizou um expediente que vem sendo adotado por diversos juízes em casos de reintegração de posse e despejos coletivos: mandou oficiar o Conselho Tutelar e a Municipalidade “para a inclusão das famílias em programas sociais”.

Estes ofícios, expedidos ao Conselho Tutelar e à Municipalidade para atenção aos direitos e encaminhamento a programas sociais ou habitacionais, por outro lado, e de forma geral, não produzem resultados práticos. Os atendimentos sociais disponíveis se resumem a albergues, que não respondem às necessidades habitacionais. Os atendimentos habitacionais, quando são feitos, se encerram em cadastros. Os juízes e juízas nunca saberão se estes cadastros serão efetiva demanda no plano de habitação municipal em execução, porque em geral não são informados e o processo é arquivado.

De volta ao caso da reintegração da Avenida São João, 601. Quando a juíza concedeu a liminar, ela também determinou aos proprietários que zelassem pela integralidade de todos os moradores e pela remoção de modo menos opressivo. Depois de entregues os ofícios, os advogados dos proprietários voltaram à juíza para argumentar, com base em direitos fundamentais, que caberia ao Estado zelar pela integridade da dignidade e bem-estar geral dos moradores. Então estes advogados pediram que o mandado de reintegração fosse aditado para determinar que caberia ao Estado promover alimentação, transporte, depósito de bens e realocação dos moradores.

A juíza acatou o pedido dos proprietários determinando em despacho: a inclusão de famílias em programas sociais e o encaminhamento para outras moradias, mesmo provisórias, incluindo-se transporte, alimentação e demais medidas para remoção, estão a cargo da Municipalidade.

Promover estes meios, como transporte e guarda-móveis, é uma obrigação regida pelas normas da Corregedoria de Justiça, cabendo aos proprietários custearem. O fato é que se trata de imóvel privado e a municipalidade foi oficiada, por ordem judicial, a pagar com verba pública esta despesa, decorrente do abandono e subutilização particular.

Depois de inúmeras trocas de mensagens, cópias devidamente juntadas, petições dos advogados dos proprietários e pedidos de esclarecimento à Polícia Militar pela juíza, a municipalidade, intimada sob pena de multa, recorreu com agravo de instrumento ao Tribunal de Justiça em junho e perdeu por questões processuais, ou seja, teria que arcar com os custos da reintegração.

As mensagens trocadas com os técnicos da administração municipal no corpo da ação judicial mostram que o debate centrou-se em quantos caminhões seriam suficientes, no pedido de lanche para a Polícia Militar, na informação de que o Subprefeito da Sé abriu processo administrativo para gastar dinheiro público em regime de urgência em favor do latifundiário urbano, particular e ocioso e nas incansáveis e justificadas análises de risco para cumprimento da reintegração de posse de 16 de setembro. E nada sobre o atendimento habitacional.

Justamente os meios para a remoção, que tinham sido causa de reiteradas tentativas frustradas da reintegração de posse, inclusive a tentativa nada amistosa de agosto, foram o motivo de resistência e conflito com a Polícia Militar, noticiado por toda imprensa.

Mas e o Ministério Público? Coube ao MP oficiar a Assistência Social sobre o que tinha. Qual Programa? Nenhum. Algum atendimento social? Não. O problema é habitacional. E a ordem para atender com moradias? Não valeu? Silêncio.

Sem atendimento social, sem moradia e sem móveis – destroçados pelo caminho –, as famílias sofreram abuso de autoridade, foram conduzidas para o Distrito Policial e detidas em um posto de gasolina. O prédio foi reintegrado ao abandono. Mas o processo continua. Até agora, a certidão de reintegração de posse não foi apresentada pelo oficial de justiça. Há mais alguma coisa de que não sabemos?

Em tempo: Os processos judiciais das varas centrais, distribuídos a partir de 2014, são digitais. No site www.tjsp.jus.br, é possível se cadastrar e ver processos na íntegra. O número deste processo é 1026333-23.2014.8.26.0100. O agravo de instrumento é o processo número 2087157-89.2014.8.26.0000. Também há ação de desapropriação contra a Aquarius Hotel S.A., nº 0003178-75.2012.8.26.0053, não disponível em meio digital.

*Luciana Bedeschi é advogada do Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Gestão do Território UFABC.

Anúncios

Um comentário sobre “Da ação de reintegração do Hotel Aquarius ao abandono

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s