LabCidade FAUUSP convoca bolsista para atuar com georreferenciamento e dados

O Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade (LabCidade), vinculado à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, está selecionando bolsista de graduação para atuar com georreferenciamento e dados. Podem concorrer candidatos matriculados em qualquer curso de formação superior da USP, desde que estejam aptos a atender às atividades previstas no projeto de pesquisa.

A vaga está vinculada ao Programa Unificado de Bolsas de Estudo para Formação de Estudantes de Graduação (PUB-USP) (confira aqui o edital completo) e terá duração de doze meses, com início no dia 1º de setembro de 2018. As inscrições devem ser realizadas entre os dias 1 e 15 de agosto.

O LabCidade FAUUSP, coordenado pelas professoras Raquel Rolnik e Paula Santoro, realiza pesquisas dedicadas ao direito à cidade na política urbana e desenvolve projetos de extensão com o objetivo de disseminar o conhecimento produzido pela equipe. O bolsista selecionado terá carga horária de trabalho de 10 horas semanais e participará das seguintes atividades em desenvolvimento no laboratório, por meio do projeto Periferias contemporâneas: leituras territoriais:

  • Levantamento e sistematização de bibliografia produzida no campo do planejamento urbano, geografia e sociologia urbana sobre território popular, desigualdade socioterritorial e marcadores de desigualdades;
  • Manipulação de bases de dados secundários, tais como pesquisa Origem Destino do Metrô de São Paulo e Censo do IBGE;
  • Elaboração de planilhas e tabelas;
  • Georreferenciamento de dados;
  • Produção de mapas e infográficos;
  • Elaboração de relatório final das atividades.

Materiais e métodos:

  • softwares de georreferenciamento de forma a compor uma base de dados própria da pesquisa a partir de informações obtidas em campo e relacioná-las a dados secundários levantados;
  • básico de programação em python para auxiliar no georreferenciamento e raspagem de dados;
  • softwares de cruzamento de dados (PSPP) para manipulação de tabelas;
  • tabulação e análise estatística de informações levantadas via questionários.

Confira aqui o projeto completo, em que são detalhadas as atividades do bolsista.

Abaixo, entenda de forma resumida o processo de inscrição e os requisitos que os candidatos precisam cumprir.

ETAPAS DA SELEÇÃO

01 a 15/08/2018: Inscrição online dos estudantes no projeto homologado.

15/08/2018: Divulgação da pontuação do perfil socioeconômico no Sistema JUNO (https://uspdigital.usp.br/juno).

16/08 a 31/08/2018: Seleção dos estudantes inscritos no projeto pelos docentes.

01/09/2018: Início da vigência do projeto e da bolsa.

PROCESSO DE INSCRIÇÃO

Os estudantes interessados em participar do PUB-USP deverão, primeiro, se inscrever no Programa de Apoio à Permanência e Formação Estudantil (PAPFE), junto à Superintendência de Assistência Social (SAS-USP), realizando todos os procedimentos necessários, inclusive entrega de documentos que sejam solicitados e, desse modo, obter, do PAPFE, a pontuação socioeconômica.

Após essa etapa, os estudantes devem, obrigatoriamente, acessar o Sistema Corporativo JupiterWeb (https://uspdigital.usp.br/jupiterweb) e escolher até 2 (dois) projetos homologados pela Pró-Reitoria de Graduação.

ALGUNS REQUISITOS E COMPROMISSOS DO BOLSISTA

  • Estar regularmente matriculado e cursando um dos cursos de graduação da USP.

  • Apresentar bom desempenho acadêmico.

  • Não ter vínculo empregatício e dedicar-se integralmente às atividades acadêmicas.

  • Não acumular o recebimento de bolsas, exceto apoios e auxílios da SAS-USP, no período de vigência.

PROCESSO DE SELEÇÃO

O processo de seleção do estudante é de responsabilidade do professor-orientador, a quem caberá avaliar o perfil acadêmico do candidato, sua aptidão e disponibilidade para desenvolver o projeto, bem como priorizar entre os inscritos aqueles com maiores dificuldades, por razões socioeconômicas, de permanência na Universidade de São Paulo, segundo a classificação da SASUSP por meio do PAPFE. Se os professores-orientadores julgarem pertinente, poderão realizar entrevistas com os candidatos inscritos.

CONCESSÃO DAS BOLSAS

As bolsas terão vigência no período de 01 de setembro de 2018 a 31 de agosto de 2019, com o valor de R$ 400,00 (quatrocentos reais), sobre o qual não haverá encargos sociais. O pagamento da bolsa não configura vínculo empregatício de qualquer natureza com o estudante, nos termos do art. 82 da Lei Federal no 9394 de 20/12/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional). O estudante não poderá acumular outra bolsa ou estágio da USP, exceção feita a apoios e auxílios da SAS-USP, no período de vigência da bolsa.

OBSERVAÇÕES

Serão consideradas apenas as inscrições realizadas cumprindo todas as exigências e ritos do edital.

LabCidade FAUUSP convoca bolsista para desenvolver atividades de comunicação

O Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade (LabCidade), vinculado à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, está selecionando bolsista de graduação para desenvolver atividades na área de comunicação. Podem concorrer candidatos matriculados em qualquer curso de formação superior da USP, desde que estejam aptos a atender às atividades previstas no projeto de pesquisa.

A vaga está vinculada ao Programa Unificado de Bolsas de Estudo para Formação de Estudantes de Graduação (PUB-USP) (confira aqui o edital completo) e terá duração de doze meses, com início no dia 1º de setembro de 2018. As inscrições devem ser realizadas entre os dias 1 e 15 de agosto.

O LabCidade FAUUSP, coordenado pelas professoras Raquel Rolnik e Paula Santoro, realiza pesquisas dedicadas ao direito à cidade na política urbana e desenvolve projetos de extensão com o objetivo de disseminar o conhecimento produzido pela equipe. O bolsista selecionado terá carga horária de trabalho de 10 horas semanais e participará das seguintes atividades em desenvolvimento no laboratório, por meio do projeto Apoio à produção de conteúdos e difusão de pesquisas sobre direito à cidade na política urbana de São Paulo:

  • Reformulação da plataforma do LabCidade;

  • Manutenção do mailing;

  • Produção e disseminação de conteúdo junto aos pesquisadores;

  • Relacionamento via redes sociais;

  • Seleção de imagens e para a plataforma e para as redes sociais;

  • Produção de vídeos e campanhas temáticas a partir dos temas trabalhados pela equipe;

  • Organização da biblioteca de mídia e de publicações do laboratório;

  • Desenvolvimento de roteiros e produção do podcast do LabCidade.

Confira aqui o projeto completo, em que são detalhadas as atividades do bolsista.

Continuar lendo

Licitação dos ônibus: por que ignoram o interesse público?

licitacao onibus

Foto: Finasal /Wikimedia Commons

Por Marcia Gregori* e Rafael Drummond**

O transporte coletivo de ônibus é responsável pela mobilidade de cerca de 6 milhões de passageiros diariamente em São Paulo, o metrô responde por mais cerca de 2 milhões. O edital de licitação da concessão dos ônibus, que terminou em 2013 após 10 anos, foi lançado no dia 25 de outubro e apresenta questões complicadas para o interesse público e já apontadas por vários coletivos antes mesmo do seu anúncio. No entanto, a mídia, o Ministério Público e a Prefeitura parecem preferir abordar assuntos que, embora tenham sua importância na discussão sobre a mobilidade na cidade, não são estruturais nem respondem por números e cifras tão elevados quanto o sistema de ônibus.

A Prefeitura, por um lado, mais confunde do que esclarece. Lança notas pouco claras a respeito da remuneração dos ônibus, do índice de qualidade e da produtividade, com um discurso técnico pouco compreensível para a grande maioria da população. Além disso, após a consulta pública, não incluiu no edital diversas sugestões feitas por várias entidades em pontos centrais, mas incluiu demandas dos empresários quanto à remuneração dos serviços, agora em retificação publicada no Diário Oficial do Município, aceitando pagar 15% dos custos operacionais, ainda que a prestação não seja feita de acordo com o contrato.

(Confira em breve aqui no blog mais um artigo sobre outras sugestões que não foram acatadas pela Prefeitura no processo de consulta pública.)

Já o Ministério Público está muito preocupado com a abertura da Avenida Paulista para pedestres aos domingos, mas pelo visto não se incomodou com a duração de 20 anos prorrogáveis por mais 20 do edital dos ônibus; ou com a operação do Centro de Controle Operacional (CCO) do sistema; nem com a paralisação das obras do metrô e do monotrilho.

A mídia, por sua vez, discute e desqualifica as ciclovias, ecoa reclamações sobre o lazer na Paulista aos domingos, mas não procura se aprofundar em questões centrais dessa licitação, ou em outros temas relevantes para a cidade, como a água e o fechamento das escolas públicas estaduais. Seria talvez por que o transporte coletivo e os serviços públicos em geral são prestados a pessoas mais pobres, que estão na periferia da sociedade e não no coração da cidade com seus imensos automóveis? Ou porque o lucro, escamoteado por um discurso tecnocrático, está acima de qualquer coisa na sua escala de valores?

A licitação agora aberta poderia ser uma oportunidade de conquistar não apenas um serviço de alta qualidade, mas também de atrair novos usuários ao sistema de ônibus, que abandonariam o individualismo do automóvel. Mas para isso seria necessário um modelo que não estivesse fundado essencialmente em ideias como Estado eficiente e lucro garantido para os empresários e muito menos em parcerias público-privadas nas quais o poder público serve cada vez mais para viabilizar o grande capital e não se responsabiliza por cobrar e garantir a qualidade dos serviços ou por estabelecer ao menos um pouco de justiça social.

Em um processo de consulta pública apressada, houve diversas propostas e questionamentos e, ao final de dois meses, após o fechamento da consulta, foram dadas as respostas à participação pública e o edital final foi publicado no Diário Oficial do Município.

Entre as propostas que o GT Mobilidade da Rede Butantã e o APĒ – estudos em mobilidade fizeram à Secretaria Municipal de Transportes, duas são, em nosso entendimento, fundamentais para o sucesso do novo sistema proposto: 1. A diminuição da duração dos contratos; 2. A construção e operação do Centro de Controle Operacional (CCO) serem objeto de outra licitação da qual os empresários prestadores do serviço de ônibus não possam participar.

Continuar lendo